Rios Goianos: jornalismo ambiental com DNA goiano

Blindar o Rio Meia Ponte é Possível?

                 Rio Meia Ponte blindado,

                 água pura para todos!

 

Rio Meia Ponte, setor Balneário Meia Ponte, bairro da região Norte de Goiânia. Foto: João Faria/ONG Rios Goianos.

Essa bem que poderia ser a imagem oficial do Rio Meia ponte. Foto: João Faria/ ONG Rios Goianos.

O engenheiro agrônomo Henrique Costa possui uma visão crítica – e realista – no que se refere ao futuro do abastecimento de água na Grande Goiânia. Em sua avaliação, o principal fator que tornou vulnerável a captação de água da Bacia do Rio Meia Ponte foi o crescimento da cidade. Ele menciona as recomendações da Carta de Risco de Goiânia, elaborada em 1993 por uma equipe multidisciplinar, composta por técnicos e professores ligados ao meio ambiente, no âmbito da Universidade Federal de Goiás. Na época, de acordo com Costa, o documento já alertava que Goiânia não deveria crescer nos sentidos norte e noroeste para não se comprometer as captações de água.

Crescimento desordenado, o mal do século!

Na época, de acordo com Costa, o documento já alertava que Goiânia não deveria crescer nos sentidos norte e noroeste para não se comprometer as captações de água. Contudo, esse alerta não foi observado e a cidade cresceu, envolvendo as captações de água do Ribeirão João Leite e do Córrego Samambaia, causando enormes transtornos ao sistema de abastecimento de água”, complementa o engenheiro.

 

        Resíduos poluentes, controle difícil!

Hoje, a captação de água do Rio Meia Ponte começa a adentrar nas chamadas bacias de abastecimento – sub-bacias do Córrego Capivara, nas proximidades da Escola de Agronomia da UFG, pela margem esquerda, e já quase no divisor de águas do Córrego São Domingos, onde está situado o bairro Vitória. Na análise de Costa, o grande impasse reside nas malhas urbanas “altamente impactantes sobre a quantidade e a qualidade das águas dos cursos hídricos” e também pela “quantidade de resíduos de toda natureza que são carreados para os cursos hídricos urbanos”.

O engenheiro ressalta que tais resíduos poluentes são de difícil controle e de ações perpetradas pelo homem, ao destruir áreas de proteção permanente, entre outras. Costa aponta os planos diretores municipais como instrumentos de ordenamento territorial, orientando o crescimento das cidades em direção contrária a suas fontes de abastecimento de água.

“Plano Diretor de Goiânia deve blindar a captação de água do Rio Meia Ponte”  Segundo Costa, malhas urbanas são altamente impactantes sobre a quantidade e a qualidade das águas. Foto: Fernando Leite/Jornal Opção.

 

                    Salvem os símbolos de Goiás!

Está em tempo, ainda, do Plano Diretor de Goiânia blindar a captação de água do Rio Meia Ponte, limitando a malha urbana nos atuais limites em que se encontram, sob pena de assistirmos o que já acontece nas atuais captações do Ribeirão João Leite e do Córrego Samambaia”, alerta o engenheiro. Ele sugere a criação de uma unidade de conservação no entorno da bacia do Meia Ponte, região que concentra ninhos de inhumas ou anhaumas, aves consideradas símbolos de Goiás. Tal iniciativa justificaria a preservação da espécie. 

Rio Meia Ponte, divisa dos setores Negrão de Lima e Santa Genoveva, na cidade de Goiânia. Foto: João Faria e Edimar Teles/ONG Rios Goianos.

Rio Meia Ponte, divisa dos setores Negrão de Lima e Santa Genoveva, na cidade de Goiânia.  Esgoto a céu aberto! Foto: João Faria /ONG Rios Goianos.

 

Texto e revisão: Carlos Alberto Pacheco/ONG Rios Goianos.

 

 

 

 

 

 

 

2 comentários sobre “Blindar o Rio Meia Ponte é Possível?

  1. Carlos Alberto Pacheco

    Excelente material. Mais um alerta sobre o uso indevido e inescrupuloso do Rio Meia Ponte, outrora cartão-postal de Goiânia.

    1. João Faria Autor da Postagem

      É isso mesmo senhor Carlos Pacheco, sua entrevista com o Dr° Henrique Costa, é contundente e real. Até quando os gestores públicos vão ficar brincando de governar? Tem uma frase que é muito usada tratando-se de preservação e conservação ambiental. Que é”Lixo Não dá voto” Discordamos radicalmente dessa afirmação, por um simples fator. Quem é eleito ou nomeado para ser um gestor público, independente de ideologias politicas. Este gestor é obrigado por lei a trabalhar pelo bem estar dos cidadãos e da preservação da natureza, seja onde for!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *