Rios Goianos: jornalismo ambiental com DNA goiano

Temos fé que dessa vez, esse projeto vai sair do papel!

 

     UFG busca parceria da Emater para projeto de racionalização do uso de defensivos

Emater Go

  Iniciativa foi idealizada após pesquisa da Anvisa indicar altos índices do produto em hortaliças da Ceasa. Com o objetivo de construir parceria para desenvolver um projeto de redução do uso de defensivos agrícolas na produção de tomate em Goiás, a professora da Universidade Federal de Goiás (UFG) Abadia Reis visitou a Agência Goiana da Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater) na tarde dessa terça-feira (16/2). A professora foi recebida pela diretora de Pesquisa Agropecuária da Emater, Maria José Del Peloso. O projeto foi idealizado após pesquisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) indicar índices elevados em hortaliças comercializadas na Central de Abastecimento de Goiás (Ceasa). O projeto tem como objetivo a construção de uma vitrine tecnológica que apresentará técnicas e produtos que, aplicados à produção de tomate, podem reduzir o uso de defensivos agrícolas. “Por meio dessa vitrine, capacitaremos produtores, estudantes e profissionais da área”, explicou Abadia Reis.

Antes do estabelecimento da vitrine, a iniciativa prevê ainda a elaboração de um diagnóstico da produção de tomate em Goiás, que inclui um levantamento de viveiros de mudas do fruto. A análise da quantidade de resíduo de defensivos em tomates e a validação de tecnologias que minimizem o uso dos produtos são ações também previstas no projeto.

                                                     Apoio técnico

Maria José Del Peloso informou que a Diretoria de Assistência Técnica e Extensão Rural da Emater deve ser a principal envolvida no projeto. “Os técnicos podem contribuir com o diagnóstico. Vamos indicar os mais capacitados em produção de tomate”, explicou.

O assessor especial da Presidência da Emater, Joaquim Gomide, sugeriu que o projeto capacite técnicos que possam acompanhar os produtores e comprovar a eficiência da tecnologia apresentadas na vitrine. “Por mais que o produtor se informe sobre uma tecnologia, muitas vezes ele não tem conhecimento técnico para aplicar. O acompanhamento técnico seria importante para mostrar a eficiência do projeto”, defendeu. A Emater espera, agora, pelo recebimento do projeto estruturado para dar continuidade às ações de parceria. A proposta desenvolvida pela UFG conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e parceria do Ministério Público estadual.

Texto: Gilmara Roberto

Foto: Emater / Gilmara Roberto Site: www.emater.go.gov.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Secured By miniOrange